Apesar do lucro, bancos continuam a explorar bancários

Apesar do lucro, bancos continuam a explorar bancários

Escrito em 12/11/2021

O SEEB-MA volta a criticar a onda de demissões, as metas abusivas, o fechamento de agências, a falta de funcionários e a insegurança nos bancos, no Maranhão. De acordo com o diretor Cláudio Costa, o Bradesco acumula recordes de lucros ano após ano à custa da exploração e do desrespeito com seus empregados e clientes.

Em todo o país, o banco fechou 1.088 agências e 8.547 postos de trabalho em 12 meses, submetendo os bancários a péssimas condições de trabalho e a população a um atendimento precarizado, em agências lotadas e com filas a perder de vista. Lamentavelmente, essa triste realidade não é observada apenas no Bradesco, mas em todos os bancos privados, como Itaú e Santander. Os três bancos, juntos, lucraram mais de R$ 52 bilhões apenas nos nove primeiros meses deste ano.

“Mesmo assim, no Maranhão, dezenas de bancários foram demitidos durante a pandemia. Agências foram fechadas sem justificativa. Idosos e enfermos são deixados no sol. Assaltos colocam a vida de bancários, vigilantes e clientes em risco. Não podemos aceitar. Chega de ataques e de demissões” – disse Cláudio.

Por sua vez, os bancos públicos, como a Caixa e o Banco do Brasil não ficam atrás quando o assunto é exploração. De janeiro a setembro, os dois bancos lucraram, juntos, mais de R$ 26 bilhões, isso sem contar o balanço da Caixa no terceiro trimestre, que ainda não foi divulgado.

Porém, do mesmo modo que os bancos privados, Caixa e BB continuam a massacrar seus funcionários com metas abusivas, sobrecarga de trabalho, desvios de função e assédio moral. “Diante de toda essa lucratividade do setor financeiro, exigimos respeito, segurança, o fim do assédio, mais agências e a contratação de bancários para dignificar o atendimento à população e garantir condições laborais dignas aos trabalhadores! Vamos à luta” – finalizou o presidente Dielson Rodrigues.